Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Governo sofre para se reposicionar no Senado

Josias de Souza

03/10/2019 18h49

Em política, quase tudo é permitido, menos deixar-se surpreender. Depois de derrubar todas as emendas ao texto principal da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça, o governo foi ao plenário do Senado com a guarda baixa. E levou, na última hora, uma paulada. Aprovou-se emenda que subtraiu da reforma R$ 86 bilhões, elevando para R$ 133 bilhões a soma do que foi perdido em relação ao que a Câmara aprovara.

Nesse contexto, o secretário de Previdência da pasta da Economia, Rogério Marinho, regula o verbo ao comentar a redução da verba. Declara que o governo gostaria de ter obtido uma cifra "maior" no Senado. Mas realça que é preciso "comemorar o resultado": uma economia de R$ 800 bilhões em dez anos.

Ex-deputado, tarimbado nas mumunhas do Legislativo, o que Marinho declara, com outras palavras, é mais ou menos o seguinte: Nada de mau acontece para o governo no Congresso que não seja esplêndido diante do que ainda pode acontecer. Vem aí a votação em segundo turno. Convém evitar novos descuidos.

O ministro Paulo Guedes (Economia), que não tem filtro político, reagiu muito mal. Falou em compensar cada bilhão perdido. Insinuou a possibilidade de rever a negociação sobre pacto federativo e a participação de estados e municípios na partilha do megaleilão de petróleo marcado para o início de novembro. Negócio de R$ 106 bilhões.

Se telefonar para Bolsonaro, Guedes talvez ouça uma ordem. Algo assim: "Paulo, baixa a bola aí, tá Ok? Ainda preciso aprovar no Senado a indicação do meu filho Eduardo para a nossa embaixada em Washington. Meu amor pela banda negociante do Senado não veio à primeira vista. É um relacionamento construído a prazo, em prestações nem sempre muito suaves. Não adianta você cutucar, Paulo. Esses profissionais do Congresso, especialmente os do Senado, não ficam com raiva. Eles ficam com tudo."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.