Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Briga do PSL expõe a mercantilização da política

Josias de Souza

08/10/2019 16h06

A sucessão de escândalos transformou a democracia brasileira num projeto político que saiu pelo ladrão. Nesse projeto, os partidos passaram a ter uma função mercantil. A desavença de Jair Bolsonaro com o seu PSL é apenas mais uma evidência do fenômeno. O presidente tem mais de 100 milhões de razões para espinafrar o PSL e o presidente da legenda, Luciano Bivar —como fez em contato com correligionários, na frente do Alvorada. Por trás da desqualificação está uma disputa por uma caixa registradora com R$ 103 milhões em verbas públicas. Esse é o valor que o PSL passou a beliscar no fundo partidário depois que se tornou, em 2018, a segunda maior bancada da Câmara.

Antes de se associar a Bolsonaro, o PSL não existia. Sua microbancada de dois deputados era um asterisco sujo. Compôs a milícia parlamentar de Eduardo Cunha. Acompanhou o ex-presidente corrupto da Câmara até a beirada do precipício. Depois da cassação do mandato de Cunha, o próprio Luciano Bivar assumiu uma cadeira de deputado como suplente. Com três representantes, o PSL integrou-se à bancada dos coveiros, ajudando a enterrar na Câmara as denúncias criminais contra Michel Temer.

Foi esse partido que Bolsonaro escolheu para apresentar ao eleitorado brasileiro o teatro da nova política. Dono do PSL, Luciano Bivar comportou-se como homem de negócios. Terceirizou o partido a Bolsonaro durante a campanha, com o compromisso de reassumir depois da eleição. Bivar passou o comando a Gustavo Bebianno, na época homem de confiança do candidato. Consumado o êxito, ele voltou a administrar o empreendimento. Daí o conflito.

Costuma-se dizer que o noticiário político deveria sair na seção de polícia. No caso do PSL, o caderno de economia talvez fosse a melhor opção. Hoje, o partido atua no ramo cítrico. Dedica-se à produção de laranjas. E enfrenta uma disputa societária. Julgando-se responsável pelo salto nos lucros, Bolsonaro não se conforma em exercer papel secundário na distribuição dos dividendos. Nessa briga, o brasileiro entra com o bolso, pois o PSL, como os demais partidos, é 100% financiado pelo déficit público.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.