Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Pressa eleitoral de Bolsonaro potencializa Huck

Josias de Souza

08/10/2019 01h21

Faltando três anos para a eleição presidencial, Jair Bolsonaro decidiu cuidar da própria sucessão como se o ano de 2022 estivesse na virada da esquina. O presidente cria uma atmosfera de pré-campanha. Em vez de se concentrar na construção de um governo que o credencie para um segundo mandato, Bolsonaro desperdiça sua hora com a desconstrução de potenciais adversários.

Difícil enxergar alguma serventia na precipitação de Bolsonaro. Por enquanto, o capitão conseguiu apenas colocar na rua os nomes de alguns dos seus rivais. Entre eles o que mais o preocupa: Luciano Huck. Em entrevista a uma revista feminina, Angélica disse o seguinte sobre a eventual candidatura presidencial do marido: "Não posso dizer que acho muito legal Luciano sair candidato, não seria verdade. Mas tem uma hora que você não está mais no controle. É uma espécie de chamado".

Bolsonaro não para de chamar. No final de semana, o presidente voltou a espinafrar o apresentador de TV num discurso transmitido via internet para um evento chamado "3º Simpósio Nacional Conservador". O capitão afirmou que o povo não votará em "pau mandado da Globo". Há coisa de dois anos, dizia-se coisa parecida de Bolsonaro. O povo não votaria num candidato que vinha do baixo clero e não dispunha de estrutura partidária. Deu no que está dando.

A Presidência de Bolsonaro é o resultado de dois fenômenos: o antipetismo e a falência das forças políticas de centro. Em 2022, se tiver resultados econômicos a exibir, Bolsonaro será um candidato competitivo. Do contrário, ele pode bater com a cabeça no teto de sua impopularidade. E o pedaço do eleitorado que tem ojeriza a Lula e ao PT pode buscar fora da política uma novidade genuína. Ao antecipar a campanha, Bolsonaro potencializa a conversão da celebridade da telinha em alternativa eleitoral sem que Huck precise deixar seu palanque eletrônico. Bolsonaro anda tão ocupado em fazer campanha que já não encontra tempo para exercitar a inteligência.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.