Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Guedes está dois lances atrás da própria língua

Josias de Souza

10/10/2019 20h07

O governo de Jair Bolsonaro seria outro se o presidente trouxesse suas palavras na coleira e o ministro da Ecomomia convertesse gogó em resultados. O problema é que Jair Bolsonaro não para de produzir insensatez —a crise com o PSL foi apenas a penúltima— e Paulo Guedes parece estar sempre dois lances atrás da sua própria língua. Bolsonaro preocupa-se mais com as urnas de 2022 do que com os cofres de 2019. Cofres que a língua de Guedes havia prometido sanear no primeiro ano de governo.

Falando num fórum de investidores, o ministro celebrou o fato de que a economia mundial entra numa clínica de reabilitação num instante em que o Brasil está saindo dessa clínica. A economia brasileira melhora, mas não recebeu alta hospitalar. Vai crescer menos de 1% neste ano. Na comparação com o PIB mundial, que terá crescimento médio acima de 2%, o Brasil está mais enfermo. E o declínio da economia do resto do mundo tornará a recuperação ainda mais lenta. Guedes disse a certa altura que, depois de quatro décadas de economia fechada, impostos elevados, Bolsonaro "começou a revolução em relação ao que há de melhor no mundo ocidental."

A gestão Bolsonaro está a dois meses e meio de fazer aniversário de um ano. E Paulo Guedes ainda não levou ao Congresso uma proposta de reforma tributária. O fim dos subsídios? Nada. A facada na mamata do Sistema S? Nem sinal. A coleta de R$ 1 trilhão com a venda de estatais e imóveis públicos? Necas. São coisas que a língua prometeu e o ministro não entregou. Por enquanto, o que há de concreto é uma reforma previdenciária lipoaspirada e inconclusa, um presidente que produz crises na saída do Alvorada e um ministro da Economia com a garganta maior do que as atitudes. Um pouco de sinceridade talvez causasse melhor impressão nos investidores.

Os governos do Brasil têm convivido com ministros econômicos que se consideram extraordinários. Alguns têm o prestígio de super-ministros. Mas a maioria, no fim das contas, apresenta um defeito comum. Costumam encontrar as verdadeiras soluções para os problemas nacionais quando se transferem do palco para a crítica. Para evitar a sina dos ex-ministros geniais, Paulo Guedes deveria serenar a retórica e perseguir resultados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.