Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Briga Bolsonaro X PSL não pode ser apartada

Josias de Souza

14/10/2019 05h28

Convocada por pessoas preocupadas com os desdobramentos da briga que Jair Bolsonaro trava com o PSL na frente das crianças, a turma do deixa-disso se equipava no final de semana para entrar em ação. Todo brasileiro de bem precisa torcer para que a confusão evolua não para pedidos de calma e sensatez, mas para a fase dos pows!kapows!, pimbas! e tabefes!.

Uma briga que começa com um presidente exigindo auditoria externa na contabilidade milionária do seu partido e o partido cobrando um pente-fino na escrituração da campanha do presidente é o tipo de confusão que pede para não ser apartada. Há um enorme interesse público por sua continuação e uma grande curiosidade para saber até onde os dois lados permitirão que o melado escorra.

É emocionante assistir à formação das turmas. Bolsonaro arrastou para o seu lado o primogênito e senador Flávio, além de 19 dos 53 deputados do PSL. Entre eles o filho Eduardo. Luciano Bivar, o presidente da legenda, se entende com o resto —inclusive com os líderes na Câmara e no Senado, Delegado Waldir e Major Olímpio.

Espera-se que o hábito do capitão de atirar para todos os lados e a disposição do outro lado de responder à altura ajudem a evitar que a plateia faça papel de boba. No sábado, após testemunhar a vitória do seu Palmeiras sobre o Botafogo, Bolsonaro declarou, no estádio do Pacaembu: "…O PSL ganha R$ 8 milhões por mês. É dinheiro público. E todo mundo tem que saber o que é feito com esse dinheiro. É uma caixa preta".

Dias antes, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, indagara: "Como você fala do quintal alheio se o seu quintal está sujo?" Em seguida, afirmara: "As candidaturas em Minas Gerais e Pernambuco estão sendo investigadas. Mas o filho do presidente também".

O deputado referia-se a Flávio Bolsonaro, investigado por suspeita de peculato e levagem de dinheiro. Esticando-se um pouco mais a corda, o delegado Waldir vai acabar aderindo publicamente ao coro da moda: "E o Queiroz?"

Dono do PSL, Luciano Bivar insinua em privado que Bolsonaro cobra "transparência total" nas contas partidárias esquecendo-se de que os diretórios de São Paulo e do Rio são presididos pela sua prole —Eduardo no primeiro; Flávio no outro.

Major Olímpio lamentou que Bolsonaro ainda mantenha no Ministério do Turismo o réu Marcelo Álvaro Antônio. Reiterou que gostaria que o primeiro-filho Flávio deixasse o PSL. E sustentou que o presidente se deixa levar por uma conspiração liderada por Eduardo, o Zero Três. Olímpio insinuou que o Brasil virou uma espécie de monarquia informal. Nela, reina a esculhambação: "Apoiamos o presidente Bolsonaro. Não reconheço no país ainda uma monarquia, uma dinastia, filho príncipe, nada disso. Aliás, o que está desgastando muito o presidente são filhos com mania de príncipes".

Seguiu-se uma troca de socos virtuais num ringue secundário inaugurado no domingo nas redes sociais por Carlos Bolsonaro, o filho Zero Dois. Carluxo, como é conhecido, chamou o Major de "bobo da corte". E foi chamado de "moleque".

Difícil prever o desfecho da briga entre Bolsonaro e o PSL. Mas este, decididamente, não é um caso para a turma do deixa-disso. A essa altura, ou os dois lados declaram que viverão separados até que a morte os junte ou ficará demonstrado que a política é mesmo o território da farsa. Não se deve levá-la a sério, muito menos aos seus atores.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor