Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

PSL vive processo irreversível de autocombustão

Josias de Souza

16/10/2019 04h32

Não é que o crime não compensa. É que, quando compensa, ele muda de nome. Passa a se chamar Partido Político. Se o mensalão e o petrolão serviram para alguma coisa foi para comprovar que os maiores partidos brasileiros tornaram-se apenas ramificações do crime organizado. E o PSL serve para demonstrar que, se você tiver carisma e disposição para chamar a mesma porcaria de nova política, vai acabar transformando um partido nanico num gigante do Legislativo. Embora continue sendo a mesma porcaria.

O PSL precisa se benzer, pois é grande a urucubaca. Tem um patrono (Jair Bolsonaro) que pede que esqueçam o seu partido. Amanhece com rapazes da PF na casa do seu presidente (Luciano Bivar). E anoitece de mãos dadas com arquirrivais como PT e PCdoB numa obstrução legislativa contra o governo. Coisa comandada por um líder (Delegado Waldir) que deveria zelar pelos interesses do Planalto. No Legislativo, o PSL afasta o líder do governo (Major Vitor Hugo) de uma comissão sobre reforma previdenciária dos militares. No Ministério do Turismo, tolera um filiado tóxico (Marcelo Álvaro Antônio), já indiciado e denunciado. Na Assembleia de São Paulo, o drama de um líder (Gil Diniz) pendurado nas manchetes como adepto da "rachadinha", numa evidência de que o primogênito (Flávio Bolsonaro) fez escola.

Não é de hoje que os nomes dos partidos não dizem nada. Ou, por outra, os partidos praticam o contrário do que dizem os seus nomes. O nome escondido atrás da sigla PSL é Partido Social Liberal. Social não é. Liberal tampouco. Seu liberalismo perdeu-se no modelo patrimonialista de gestão da milionária verba pública do fundo partidário. O PSL poderia se chamar Janete ou Partido Sem Limites. Para os seus propósitos, daria no mesmo. E nada seria capaz de mudar o fato de que o partido do presidente da República entrou num processo irreversível de autocombustão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor