Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Briga no PSL evolui para o estágio de guerrilha

Josias de Souza

17/10/2019 01h29

A convulsão interna do PSL eletrificou a noite em Brasília. O ambiente de alta-tensão se prolongou pela madrugada desta quinta-feira. Deve-se o agravamento da crise a uma disputa pela liderança do partido na Câmara. Jair Bolsonaro imprimiu suas digitais numa articulação para acomodar o filho Eduardo no posto de líder. Decidiu fazer isso na base do vai ou racha. No meio da noite, foi informado de que a coisa iria, mesmo que rachada. Porém, foi dormir amargando a informação de que ainda seria necessário neutralizar uma contraofensiva do grupo que deseja manter o líder atual, Delegado Waldir, ligado a Luciano Bivar, presidente do PSL.

No início da madrugada, Eduardo Bolsonaro era líder do PSL apenas até certo ponto. O ponto de interrogação. Aguarda-se para esta quinta um pronunciamento da direção da Câmara. Havia, porém, duas certezas. A primeira delas é que subiu no telhado o plano do presidente da República de servir ao seu filho Zero Três o filé mignon da embaixada do Brasil em Washington. A segunda coisa incontroversa é a seguinte: se prevalecer na disputa, como parece provável, Eduardo Bolsonaro irá liderar não a bancada de um partido, mas uma guerrilha.

Há veneno demais nas duas trincheiras. O material tóxico inclui uma suposta gravação na qual a voz de Bolsonaro soaria falando de cargos e verbas. Assumindo a liderança, o Zero Três redistribuiria as posições do PSL nas comissões da Câmara. E ficaria mais próximo da chave que abre o cofre milionário do fundo partidário. Outra matéria radioativa é uma ameaça. Foi discutida em reunião na noite passada. O grupo de Bivar passou a cogitar a sério a hipótese de expulsar do PSL meia dúzia de deputados bolsonaristas.

Pela manhã, em conversa com repórteres na frente do Palácio da Alvorada, Bolsonaro amenizara o timbre de suas declarações sobre o PSL. Dissera que não interferiria no partido. Queria apenas "transparência" na contabilidade. "É dinheiro público", declarou, referindo-se aos R$ 8 milhões mensais que a legenda recebe do Fundo Partidário. Ao longo do dia, a suposta serenidade do capitão revelou-se apenas mais uma modalidade de conversa fiada.

Para trocar o líder, exige-se a adesão de mais da metade da bancada. Impulsionados por Bolsonaro, que fez reuniões e telefonemas, 27 dos 53 deputados do PSL assinaram pedido para substituir Waldir por Eduardo. À noite, o grupo bolsonarista mal protocolara o documento e um segundo abaixo-assinado aportou na Secretaria-Geral da Câmara. Com 32 assinaturas, o grupo de Bivar requereu a volta de o Waldir à liderança. Somando-se 27 com 32, chega-se a um total de 59 deputados. Ou seja: na melhor das hipóteses, seis parlamentares assinaram as duas listas. Na pior, há cartas falsas no baralho.

O grupo pró-Eduardo ainda teve tempo de levar ao guichê da Câmara uma terceira lista. De novo, com 27 deputados. O blog apurou que a lista pró-Waldir fora elaborada antes. Assim, as assinaturas a favor de Eduardo incluiriam deputados que se arrependeram do apoio ao líder que, na véspera, tentara obstruir em plenário a votação de uma medida provisória editada por Bolsonaro.

Na dúvida, a assessoria da Câmara téra de confirmar a autenticidade das assinaturas e verificar que lista, afinal, ficará em pé. É nesse contexto que surge a ameaça de expulsão de deputados leais a Bolsonaro. Como ainda controla a Executiva do PSL, Bivar retomaria as rédeas da bancada expurgando da legenda parte do grupo que deseja vê-lo pelas costas. No intervalo de uma semana, o presidente conseguiu fabricar uma crise que ateou fogo na única bancada que costumava votar 100% fechada com o Planalto.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor