Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Medo da luz impediu Bolsonaro de desarmar crise

Josias de Souza

30/10/2019 20h33

Jair Bolsonaro soube que seu nome aparecera no inquérito sobre a morte de Marielle Franco 20 dias antes da divulgação da novidade em horário nobre, no Jornal Nacional. O próprio presidente disse ter sido informado pelo governador do Rio, Wilson Witzel, numa festa de aniversário, em 9 de outubro. Bolsonaro poderia ter tomado providências para acomodar a encrenca em pratos limpos. Optou pelo breu. Agora, faz por pressão o que deixou de fazer por opção.

Foi à vitrine o depoimento de um porteiro. Ele contou à polícia civil do Rio que, no dia do assassinato de Marielle, um suspeito de participar do crime entrou num condomínio para visitar um comparsa. Nessa versão, o suspeito alegou na portaria que iria à casa de Bolsonaro, localizada no mesmo condomínio. O porteiro disse ter obtido pelo interfone autorização do "seu Jair" para a entrada do suspeito. Mas Bolsonaro estava na Câmara, em Brasília. Portanto, há uma incongruência grave no depoimento.

À luz dos fatos conhecidos, seria uma leviandade insinuar que Bolsonaro está envolvido no caso Marielle. Sobretudo depois que uma promotora do Ministério Público do Rio, Simone Sibílio, disse, nesta quarta-feira, que o porteiro mentiu. Agora, é preciso saber o porquê da alegada mentira. Do mesmo modo é tola a acusação do presidente de que a Globo divulgou a notícia porque deseja destruir o seu governo. Nos bastidores, as principais autoridades sabiam de tudo —ministros do Supremo, o procurador-geral, o governador do Rio e o próprio presidente. Só a sociedade desconhecia que o nome de Bolsonaro consta do inquérito sobre a morte de uma vereadora. Agora, todos sabem. E é bom que seja assim.

Por mal dos pecados, essa novidade represada foi despejada sobre a conjuntura num instante em que Fabrício Queiroz, o policial militar que trabalhou com os Bolsonaro, envia pelo WhatsApp sinais de que se considera abandonado. Queiroz é um elo entre a primeira-família e milicianos. Seria muito bom se Bolsonaro aprendesse com o episódio atual o valor da claridade. Em política, não há segredo que sempre dure nem blindagem que nunca se acabe. É preciso acender a luz. Só a luz pode evitar o pus.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor