Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Fala de Heleno sobre AI-5 aborrece os militares

Josias de Souza

01/11/2019 02h49

Companheiros de farda que sempre respeitaram e enalteceram a experiência do general Augusto Heleno passaram a fazer ressalvas ao comportamento do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. Esperavam que Heleno aproveitasse a amizade que o une a Jair Bolsonaro para levar ao presidente palavras de ponderação. E receiam que esteja ocorrendo o contrário: Heleno é que começa a incorporar à sua retórica o timbre radicalizado dos filhos do presidente e da chamada ala ideológica do governo.

Oficiais da ativa do Exército, entre eles um grande amigo de Heleno, avaliam que o ministro errou, por exemplo, ao comentar de forma superficial a hipótese de edição de um "novo AI-5", mencionada pelo deputado Eduardo Bolsonaro. Em entrevista ao Estadão, Heleno soou assim: "Se ele falou, tem de estudar como vai fazer". Em privado, colegas de farda do ministro avaliaram que ele poderia refutar a ideia do filho Zero Três do presidente ou silenciar, jamais deixar no ar a impressão de que endossa algo que não é levado a sério na cúpula das Forças Armadas.

Dissemina-se entre os oficiais militares a avaliação segundo a qual o presidente e seus filhos com mandato tornaram-se fatores de instabilidade que prejudicam o funcionamento do governo. Um dos oficiais recordou, em conversa com o blog, comentário feito pelo general Carlos Alberto dos Santos Cruz. Demitido em junho do posto de ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência, Santos Cruz afirmou que o governo convive com um "show de besteiras" que acaba "tirando a atenção da coisas importantes" —as reformas econômicas, por exemplo.

A exemplo de Heleno, Santos Cruz era visto pelos colegas como um amigo de Bolsonaro, que dispunha de liberdade para alertar o presidente sobre as "besteiras". Porém, o capitão livrou-se do general-amigo sem nenhuma cerimônia. Imagina-se que Heleno, num esforço para evitar que sua cabeça vá à bandeja como a de Santos Cruz, tempera o discurso, apimentando-o. Faz isso num instante em que os militares franzem a testa para a usina de crises instalada no Planalto e no anexo familiar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor