Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Frase de Bolsonaro magnifica problema do óleo

Josias de Souza

04/11/2019 20h33

No atual governo, um fenômeno se repete. Sempre que é confrontado com um problema, Jair Bolsonaro executa a mesma mágica. Ele magnifica a encrenca. Um problema fica sempre maior depois de passar pela mesa do presidente da República. No caso do derramamento do óleo na costa do Nordeste, Bolsonaro e seus auxiliares menosprezaram a questão na origem. Quando o governo parecia, finalmente, ter retomado o controle da situação, identificando um navio grego como principal suspeito do crime ambiental, o presidente produziu uma declaração explosiva. Disseminou medo.

"O pior está por vir", disse Bolsonaro no domingo, "uma catástrofe muito maior que, ao que parece, foi criminosa", ele declarou. Segundo o presidente, o óleo que chegou às praias "é uma pequena parte do que foi derramado". Pois bem. Nesta segunda-feira, numa entrevista conjunta das autoridades envolvidas no gerenciamento do problema, ficou demonstrado que não há nenhuma informação disponível capaz de atribuir ossatura técnica às palavas do presidente.

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva , afirmou não é possível, por ora, quantificar o óleo vertido no mar. "Nós não sabemos a quantidade derramada, o que está por vir ainda", ele declarou. O almirante Leonardo Puntel, que coordena os trabalhos, foi ainda mais específico. Afirmou que há, no momento, "um arrefecimento do óleo" que chega às praias. Levantou inclusive a hipótese de que parte do óleo —"talvez até a maior quantidade", ele disse— tenha tomado o rumo da Guiana, dirigindo-se ao Caribe".

Pela primeira vez em mais de dois meses, o governo realizou uma entrevista em que ofereceu aos brasileiros evidências de que passou a tratar adequadamente a emergência ambiental. Havia na conversa com os jornalistas o almirante que centraliza os trabalhos, o delegado da Polícia Federal, representantes dos órgãos ambientais. Fizeram considerações técnicas. Nada de ideologia ou provocação política.

E qual foi o destaque do noticiário? As autoridades militares contradizem o presidente da República. Não se pode exigir de Bolsonaro que adquira a essa altura o talento de desfazer crises. Mas o presidente poderia pelo menos se livrar da crença segundo a qual é possível eliminar uma crise criando outra crise ainda maior.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor