Topo

APB exala Bíblia, pólvora, naftalina e olavismo

Josias de Souza

22/11/2019 02h02

A Aliança pelo Brasil (APB), novo partido de Jair Bolsonaro, realizou sua convenção inaugural. Teve a aparência de culto religioso. Na pregação, os valores cristãos e o acesso às armas são defendidos com igual tenacidade.

No rol dos fantasmas, piscam letreiros terminados em "ismo" —comunismo e globalismo, por exemplo. Tudo na nova legenda cheira a Bíblia, pólvora, naftalina e Olavo de Carvalho. (veja o comentário abaixo)

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.