Topo

PT trama para Bolsonaro uma realidade de Dilma

Josias de Souza

22/11/2019 05h52

Reunido no seu 7º Congresso Nacional, em São Paulo, o Partido dos Trabalhadores lançará as bases daquilo que a presidente da legenda, Gleisi Hoffmann, chamou de "a mais firme oposição ao governo Bolsonaro". Baseia-se na política da histeria.

Deseja-se proporcionar ao capitão um ambiente de fim de mundo semelhante ao que resultou na derrocada de Dilma Rousseff —com asfalto cheio e temperatura em alta. Trata-se do caminho mais fácil para o PT. É também o caminho errado.

Atear fogo ao quadro político é o caminho mais fácil porque dispensa o PT de fazer uma autocrítica. É errado porque mantém o partido acorrentado à rotina criminal de Lula. E não há na praça material, combustível e disposição política para um novo impeachment.

A ficha do PT demora a cair. Mas o partido vem perdendo espaço na preferência do eleitorado desde 2010. Lula prevaleceu em 2002 e 2006 com 61% dos votos válidos. Em 2010, Dilma foi enviada ao Planalto com 56%.

Em 2014, Dilma passou raspando na trave, com 52%. E foi enviada mais cedo para casa. Na sucessão de 2018, com Lula na cadeia, Fernando Haddad obteve 44,8% dos votos válidos. O antipetismo ajudou a eleger Bolsonaro, com 55% dos votos.

As urnas encolheram o PT, reduzindo-o às dimensões que ostentava em 1989, quando Lula amealhou 47% dos votos válidos, perdendo para Fernando Collor de Mello, com 53%.

O eleitor parece cobrar do PT, em prestações, a fatura dos mensalões, dos petrolões e da gestão empregocida de Dilma. Tudo isso tem a ver com Lula, pois os escândalos têm raízes fincadas nos seus dois mandatos.

É de autoria de Lula também a lenda segundo a qual Dilma seria uma supergerente. Vem daí o fato de que o lulismo que empurrou Haddad para o segundo turno de 2018 tornou-se um fenômeno menor do que o antipetistmo que elegeu Bolsonaro.

Desde que saiu da cadeia, há duas semanas, Lula dedica-se desconstruir o governo. Disse que Bolsonaro governa para milicianos. Tachou Paulo Guedes de exterminador de sonhos. Chamou Sergio Moro de canalha. E instou o povo a ir às ruas, como no Chile.

Em entrevista veiculada na edição da Folha desta sexta-feira, Gleisi Hoffmann, a presidente do PT, acrescentou que a legenda adotará uma retórica "radical" contra o governo "Tem que ser um discurso ofensivo, para falar com o povo que está sofrendo."

"O governo tem que sentir que tem pressão popular", declarou Gleisi. "Não tem que ter medo de povo nas ruas." Certos trechos da entrevista flertam com a comédia.  Por exemplo: "O povo está esperando de nós um posicionamento firme. O povo quer trabalho, quer renda, quer condições de vida."

Sem perceber, Gleisi disse que o povo deseja tudo o que o PT retirou dele durante o governo empregocida de Dilma, de quem a entrevistada foi ministra da Casa Civil.

É óbvio que, a um partido de oposição, cabe pintar o governo como o pior possível e embaraçar-lhe os passos. Entretanto, quando esse partido tem um grande passado pela frente, convém não abusar da inteligência alheia.

Para continuar sonhando com o retorno, o PT precisaria reconquistar a simpatia do eleitorado de classe média.

O problema é que o pedaço conservador do eleitorado, que acreditou na Carta aos Brasileiros —aquele documento em que Lula renegou o receituário radical que o impedia de chegar ao Planalto— tomou-se de ojeriza pelo petismo.

Curiosamente, o PT se esforça para convencer esse eleitorado de classe média a fazer do seu adversário em 2022, seja ele quem for, o candidato favorito a tornar-se o próximo presidente da República.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.