Topo

Bolsonaro age para desligar Moro-2022 da tomada

Josias de Souza

03/12/2019 05h27

O general Luiz Eduardo Ramos, ministro palaciano responsável pela coordenação política do governo, disse ao Estadão que "seria imbatível" na sucessão de 2022 uma chapa encabeçada por Jair Bolsonaro com Sergio Moro de vice. "Ganhava no primeiro turno, disparado", apostou.

Quem olha de longe fica com a impressão de que nasce no Planalto um movimento para desligar da tomada o projeto Moro-2022. A polarização Bolsonaro X Lula já encheu o saco de muita gente. Tomado pelas pesquisas que lhe atribuem prestígio superior ao do chefe, o ministro da Justiça é visto por um pedaço do eleitorado como uma opção para quebrar o jogo viciado que está sobre o pano verde.

Moro já gastou baldes de saliva negando sua condição de candidato. Entretanto, se for flechado pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal no julgamento em que Lula pede a sua suspeição no caso do tríplex, ficará mais próximo de um palanque do que de uma poltrona de ministro da Suprema Corte.

Submetido ao cheiro de queimado, Bolsonaro não perde oportunidade de reiterar sua intenção de indicar para o Supremo um magistrado "terrivelmente evangélico". Sua obsessão faz do ministro André Luiz Almeida (AGU), evangélico de mostruário, uma suprema indicação esperando na fila para acontecer.

É contra esse pano de fundo que o general Ramos exibe a Moro a porta de emergência que conduz à vice. Caso as pesquisas continuem lhe sorrindo, o ex-juiz de Curitiba terá três anos para ensaiar uma singela interrogação: "Por que não uma chapa encabeçada por mim?"

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.