PUBLICIDADE
Topo

Futuro reeleitoral de Jair Bolsonaro está no bolso

Josias de Souza

08/12/2019 06h14

Candidato declarado à reeleição, Jair Bolsonaro encontra na mais recente pesquisa do Datafolha uma fórmula para o sucesso. A coisa passa pelo bolso do brasileiro. Num instante em que a economia exala um leve aroma de crescimento, a popularidade do presidente parou de cair.

A taxa de aprovação de Bolsonaro deslizou de 29% para 30%. O índice de reprovação, que saltara em agosto de 30% para 38%, escorregou para 36%. As variações estão dentro da margem de erro da pesquisa. Sua conversão em tendência depende de dois movimentos.

Num movimento, Bolsonaro precisa trazer a língua na coleira. Noutro, tem de abandonar a condição de estorvo de sua equipe econômica. Entre todos os setores do governo, o econômico é o mais popular. Em três meses, cresceu cinco pontos percentuais o índice dos que aprovam a atuação do governo nessa área.

Em trajetória inversamente proporcional, caiu a taxa de aprovação do modo como o governo lida com a corrupção. Quer dizer: embora considere que a gestão de Bolsonaro tornou-se mais complacente com os maus costumes, um pedaço da plateia emite sinais de que pode fechar os olhos se a economia der um salto.

Mal comparando, Bolsonaro vive situação análoga à de Michel Temer antes do grampo do Jaburu. Temer dispunha de uma equipe econômica com boa reputação. Alguns foram aproveitados na equipe de Paulo Guedes. O resultado não tardou a aparecer no painel de indicadores.

Quando Temer assumiu, nas pegadas do impeachment de Dilma Rousseff, o PIB estava numa lona histórica. No segundo trimestre de 2016, a recessão ardia a pino: em quatro trimestres, acumulou-se uma contração de notáveis 4,8%. A inflação bateu em 9,5%.

Com método e paciência, a equipe de Temer retirou o país da recessão, iniciando uma trajetória de taxas mixurucas de crescimento. A inflação foi contida, os juros começaram a cair.

A coisa não deslanchou basicamente por duas razões: Temer fez concessões à irresponsabilidade fiscal. Concedeu reajustes a servidores. Fez  favores a ruralistas. De resto, foi pilhado na conversa vadia com Joesley Batista.

Sob Bolsonaro, aprovou-se a reforma da Previdência que Temer não conseguiu retirar do papel, reforçou-se o torniquete fiscal e reduziram-se ainda mais os juros. O resultado está longe de ser exuberante, mas ele existe.

O desemprego cai. Entretanto, o ritmo é lento, a remuneração é menor, a informalidade supera os 40% e o trabalho é mais precário. O consumo neste final de ano foi anabolizado pela liberação de parte do FGTS.

O brasileiro não ignora o tamanho do desafio. De acordo com o Datafolha, a maioria (55%) considera que a crise deve demorar para acabar, e o país não voltará a crescer vigorosamente a curto prazo.

Para complicar, a grossa maioria (80%) não confia no presidente. Uma parte (43%) desacredita de tudo que ouve de Bolsonaro. Outra parte (37%) confia no capitão apenas de vez em quando.

A despeito de tudo, os entrevistados resolveram estancar a sangria da popularidade de Bolsonaro. Se tivesse juízo. O presidente destituiria sua língua do posto de líder da oposição e tocaria as reformas pós-Previdência em vez de pisar no freio. Mas juízo é material escasso no Planalto.

De resto, convém não esquecer que há na praça um fio desencapado. Chama-se Fabrício Queiroz. Tem potencial para produzir um curto-circuito tão desestabilizador quanto o grampo produzido na noite alta do Alvorada por Joesley Batista.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

Josias de Souza