Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Viana chia e Haddad manda auxiliar se explicar

Josias de Souza

28/04/2014 17h22

O caso dos imigrantes haitianos produziu uma 'saia justa' do petismo consigo mesmo. O governador petista do Acre, Tião Viana, telefonou para o prefeito de São Paulo, seu correligionário Fernando Haddad. Estava irritado com as críticas de Rogério Sottili, secretário de Direitos Humanos da prefeitura, contra o envio de imigrantes haitianos do Acre para a capital paulista. Cobrou explicação.

Ecoando ataques de uma secretária do govarnador tucano Geraldo Alckmin, Eloisa de Souza Arruda (Justiça e Defesa da Cidadania), que chamara Tião Viana de "irresponsável" e o comparara a um "coiote", Sotilli declarou nesta segunda: "Nós não fomos avisados dos haitianos que vão chegar [do Acre]. Não é possível tratar os imigrantes como despejados."

Na conversa telefônica com Viana, Haddad classificou o comentário do assessor de "uma manifestação infeliz". Disse que determinaria a Sotilli que ligasse para se explicar. De fato, Sotilli tocou o telefone para Viana pouco antes das 17h —ou 15h no relógio de Rio Branco. Reconheceu que o vocábulo "despejados" foi inadequado. Comprometeu-se a divulgar uma nota de esclarecimento.

Sotilli disse a Viana que a cidade de São Paulo "está no limite". Rogou ao governador do Acre que analise a possibilidade de "reduzir o fluxo de haitianos". E Viana: "Como ficamos nós? Nosso problema já é maior do que o de vocês há três anos e meio!" Uma expressão usada por Viana dá ideia do tamanho do enrosco: "O cachorro está mordendo o próprio rabo".

O governador disse ao secretário de Haddad que São Paulo nem é o destino preferido dos haitianos. De cada 50, cerca de 15 manifestam o desejo de se deslocar para a capital paulista. Os demais vão para outros Estados, sobretudo os três da região Sul: Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná.

Viana repetiu dados que mencionara em entrevista veiculada aqui no final de semana: pivôs da crise, os 400 haitianos que chegaram a São Paulo nos últimos 20 dias eram parte de um grupo maior, de carca de 2 mil. Quer dizer: 1,6 mil imigrantes foram para outras localidades.

O problema é que pelo menos dois ônibus partem do Acre diariamente levando imigrantes que entram no Estado pela fronteira com o Peru, depois de passar pelo Equador. Viana disse que tentará manter a prefeitura informada, para que Sottili se prepare para o movimento diário. Mas alertou para o agravamento da encrenca. "O fluxo está aumentando a cada dia. Antes, tínhamos os haitianos. Vieram os dominicanos. Agora, chega gente da África toda."

O secretário de Haddad disse a Viana que tentaria intermediar, em nome da prefeitura de São Paulo, uma reunião em Brasília, com a presença de representantes do Acre e de todos os ministérios que têm relação com o tema. Entre eles Relações Exteriores, Justiça, Desenvolvimento Social e Trabalho.

No domingo, o governador tucano Geraldo Alckmin dissera que sua secretária de Justiça trabalharia "junto com o governo federal para que a gente possa ter um trabalho articulado, humanitário, e ao mesmo tempo eficiente."

Devagarinho, os personagens da crise vão se dando conta de que falta um personagem nesse debate: a União. Os haitianos chegam às centenas porque o governo federal decidiu acolhê-los. Entregam suas últimas economias a coiotes e desembarcam no Acre. Entram por ali porque Viana dá-lhes abrigo e comida, facilidades que não encontraram no Amazonas e no Mato Grosso do Sul. Descem rumo ao Sudeste e ao Sul porque querem emprego e um teto para trazer o resto da família.

Contra esse pano de fundo, criou-se no Acre algo que Tião Viana chama de "rota internacional de imigração ilegal". E Brasília finge que não é com ela.

Ironicamente, Rogério Sottili, o secretário de Direitos Humanos da gestão Haddad, trabalhava na Presidência da República quando a chegada de levas de haitianos começou a ganhar a forma de um problema. Nessa fase, Sottili fora destacado para atrair empresas dispostas a contratar os imigrantes. Hoje, encarece aos amigos do Acre que segurem os desempregados que a política "amigável" do governo federal atrai.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.