Blog do Josias de Souza

Categoria : Secos & Molhados

Blog tira férias para planejar extermínio do futuro
Comentários 248

Josias de Souza

Nas próximas duas semanas, o blog desfrutará de férias. Para transformar o ócio em algo produtivo, o repórter fará uma viagem ao passado. Chegando lá, tentará eliminar o futuro. A ideia é utilizar a mesma fórmula do filme O Exterminador do Futuro. O enredo é conhecido. Nele, o ciborgue Schwarzenegger é enviado ao passado para assassinar a mãe de um líder inconveniente, que se dedica a atazanar o governo. Se o problema não nascer, não existirá.

A primeira providência será definir que mães devem ser apagadas do passado, para matar pela raiz, por assim dizer, os inimigos que ameaçam fazer da sucessão de 2018 um Apocalipse brasileiro. O mais óbvio seria atrasar o relógio até encontrar as genitoras dos presidenciáveis e de seus aliados. Mas isso produziria algo muito parecido com um genocídio de mães. E talvez não resolvesse o problema.

Outra hipótese seria recuar até momento imediatamente anterior à concepção de Cabral. O risco neste caso seria o de escolher o útero errado —o de Sergio em vez do de Pedro Álvares. E o problema que envenena o futuro do Brasil continuaria vivo. Melhor que o novo Schwarzenegger seja enviado a um passado bem mais remoto. O repórter planeja postar-se ao pé da rampa da famosa Arca. Ao pressentir a aproximação do casal de ratos, gritará a plenos pulmões para o velho Noé: “Não! Não! A ratazana não!” Se o signatário do blog não retornar da viagem, é porque algo deu errado.


Meirelles trata evento evangélico como ‘trabalho’
Comentários 27

Josias de Souza

Acossado por críticas, Henrique Meirelles esforça-se para negar que suas ambições políticas atrapalhem suas obrigações funcionais. “Tenho dito reiteradas vezes que só decidirei sobre candidatura em abril”, escreveu o ministro da Fazenda no Twitter, na quinta-feira. “Meu foco está 100% voltado ao meu trabalho de organizar as contas públicas, fazer a economia crescer e gerar mais empregos.”

Pois bem. Decorridas 24 horas, Meirelles faz hora extra para desfilar suas pretensões presidenciais, na noite desta sexta-feira, num evento evangélico organizado pela igreja Sara Nossa Terra. A coisa acontece em Vicente Pires, uma comunidade de classe média baixa do Distrito Federal. Esta é a quinta vez que o ministro injeta encontros com evangélicos em sua agenda.

Meirelles costuma dizer que um ministro da Fazenda não pode limitar seus contatos ao mundo empresarial. Não se cansa de realçar a importância de dialogar também com os evangélicos. Eles somam “30 milhões de pessoas no país”, contabiliza.

Nesse ritmo, Meirelles vai acabar acreditando em Deus, já que ficou difícil crer na reforma da Previdência e no equilíbrio das contas públicas. Mas depois de 7 de abril, quando trocar definitivamente o ministério pelo palanque, o presidenciável descobrirá que não é fácil exercer o dom da ubiquidade. Deus está em toda parte. Mas, normalmente, o demônio controla a política.


Arcebispo vê incoerência de Temer em ‘homenagem’ a Dom Hélder Câmara
Comentários 5

Josias de Souza

Dom Hélder Câmara (1909-1999)

Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Antônio Fernando Saburido abespinhou-se com uma homenagem póstuma de Michel Temer a um ícone da Igreja no Brasil. Há uma semana, o presidente sancionou uma lei que concedeu a Dom Hélder Câmara o título de “Patrono Brasileiro dos Direitos Humanos”. Em nota divulgada nesta terça-feira, Dom Saburido anotou que o companheiro de batina, que se notabilizou pelo combate às arbitrariedades da ditadura militar, merece o reconhecimento. Mas insinuou que, partindo de Temer, o gesto é incoerente.

Dirigindo-se aos “queridos irmãos e irmãs” de sua diocese, o sacerdote empilhou um lote de interrogações: “O que significa essa medida vir de um governo que justamente esvaziou a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e comprometeu todo o trabalho que vinha sendo feito na luta contra todo tipo de discriminações?”.

Mirando na emenda constitucional do teto de gastos federais, aprovada no ano passado, Saburido entoou um cântico da oposição petista: “Será que nomear Dom Helder patrono brasileiro dos Direitos Humanos fará o governo voltar atrás da decisão de reduzir substancialmente os gastos públicos em saúde e educação, deixando os milhões de pobres abandonados à própria sorte?”

Até providências das quais o governo já recuou e reformas que não aprovadas foram usadas como munição pelo arcebispo: “Como pensar em Direitos Humanos e relaxar as regras do controle ao trabalho escravo, assim como sujeitar os trabalhadores a regras que lhes são contrárias e que retiram direitos adquiridos na Constituição de 1988? E o que dizer da reforma da Previdência Social pela qual esse mesmo governo pressiona de formas ilícitas para vê-la aprovada?”

Dom Saburido foi buscar na bíblia matéria prima para fustigar Temer: “Em seu tempo, o profeta Jeremias adverte os governantes do seu povo: ‘Sem responsabilidade, querem curar as feridas do meu povo dizendo apenas paz, paz, quando paz verdadeira não existe. Deveriam envergonhar-se, pois o que fizeram foi horrível, mas não se acanham, mesmo eles não sabem o que é ter vergonha’ (Jer 8, 11- 12).”

Para o arcebispo, o título concedido por Temer a Dom Hélder não orna com as atitudes do presidente: “É nossa responsabilidade de cidadãos e de cristãos dar peso às palavras e exigir dos poderes públicos coerência em seus posicionamentos. Se a política que deveria ser um exercício nobre do serviço ao bem comum está tão desacreditada é porque os políticos não primam pela coerência entre o seu falar e o seu agir.” Vai abaixo a íntegra da nota do arcebispo de Olinda e Recife:

Nota de esclarecimento

‘Felizes sereis quando os homens vos odiarem, expulsarem, insultarem e amaldiçoarem o vosso nome por causa do Filho do Homem. (…) pois era assim que os seus antepassados tratavam os profetas. (…) Ai de vós quando todos falarem bem de vós, pois era assim que seus antepassados tratavam os falsos profetas’ (Lc 6, 22- 23 e 26).

Queridos irmãos e irmãs de nossa arquidiocese,

Todos nós fomos surpreendidos pela Lei n. 13581, de 26 de dezembro de 2017, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente da República Michel Temer. Declara Dom Hélder Câmara patrono brasileiro dos direitos humanos.

Todos os brasileiros conscientes e que amam a justiça e o direito concordam que Dom Hélder é nosso patrono em toda a luta pacífica pela justiça, pela paz e pelos direitos humanos, tanto individuais, como coletivos das minorias fragilizadas pela sociedade dominante. No entanto, nos surpreendemos pela ambiguidade desse decreto, sentimento já expresso por amigos de Dom Hélder, inclusive, Marcelo Barros que escreveu uma profética carta dirigida ao Dom da Paz. O texto dessa lei é sucinto e não explicita motivações, nem consequências. No entanto, nenhum ato dessa natureza é neutro ou sem repercussões.

Em seu tempo, o profeta Jeremias adverte os governantes do seu povo: “Sem responsabilidade, querem curar as feridas do meu povo dizendo apenas Paz, Paz, quando paz verdadeira não existe. Deveriam envergonhar-se, pois o que fizeram foi horrível, mas não se acanham, mesmo eles não sabem o que é ter vergonha” (Jer 8, 11- 12).

É nossa responsabilidade de cidadãos e de cristãos dar peso às palavras e exigir dos poderes públicos coerência em seus posicionamentos. Se a Política que deveria ser um exercício nobre do serviço ao bem comum está tão desacreditada é porque os políticos não primam pela coerência entre o seu falar e o seu agir.

O que significa essa medida vir de um governo que justamente esvaziou a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e comprometeu todo o trabalho que vinha sendo feito na luta contra todo tipo de discriminações? Será que nomear Dom Helder patrono brasileiro dos Direitos Humanos fará o governo voltar atrás da decisão de reduzir substancialmente os gastos públicos em saúde e educação, deixando os milhões de pobres abandonados à própria sorte? Como pensar em Direitos Humanos e relaxar as regras do controle ao trabalho escravo, assim como sujeitar os trabalhadores a regras que lhes são contrárias e que retiram direitos adquiridos na Constituição de 1988? E o que dizer da reforma da Previdência Social pela qual esse mesmo governo pressiona de formas ilícitas para vê-la aprovada?

Como arcebispo de Olinda e Recife, ministério que foi ocupado por Dom Hélder Câmara, sinto-me, em consciência, obrigado a declarar publicamente que esse decreto presidencial, para ser sincero e coerente, precisa ser acompanhado por outro modo de governar o país e de cuidar do que é público, principalmente do bem maior que é o povo, sobretudo os mais fragilizados.

Em nome de Deus, fonte de Amor e de Vida, conclamo os cristãos e todo o povo brasileiro a prosseguirmos a luta pacífica pela justiça e pela paz. Assim, como fez Dom Hélder Câmara, trabalharemos pelos Direitos Humanos a partir da defesa dos direitos dos pobres, dos trabalhadores, das minorias excluídas e de todo ser vivo.

O Espírito de Jesus que nasceu como pobre nos acompanhe e nos fortaleça nesse caminho,

Dom Antônio Fernando Saburido

Arcebispo de Olinda e Recife


Lula exibe músculos: ‘Mais forte do que nunca!’
Comentários 13

Josias de Souza

A debilidade penal de Lula contrasta com seu vigor físico. Septuagenário, o pajé do PT decidiu demonstrar na vitrine da internet que exercita outros músculos além da língua. A 26 dias do julgamento que pode torná-lo ficha-suja e até presidiário, o personagem exibiu o bíceps numa mensagem de otimismo para sua plateia no Facebook. “Não desista de suas metas e planos para o ano que vem”, diz o texto.

Alheia à evidência de que a Lava Jato virou uma espécie de criptonita de Lula, a assessoria do candidato eterno do petismo continua vendendo-o como superhomem. “Lula já venceu um câncer, e hoje se exercita toda manhã com disciplina e foco”, alardeia a mensagem. “O resultado é que sua saúde está cada dia melhor. Lula está mais forte do que nunca.”

Os apologistas de Lula ofereceram aos internautas uma receita de êxito: “O principal ingrediente do sucesso é a persistência. Cair, levantar, continuar, até vencer. Todos os vencedores têm em comum um histórico de luta. Todos.”

Nas suas “caravanas”, eufemismo para campanha eleitoral fora de época, Lula gosta de repetir que se sente como um “garotão” nos sapatos de um ancião de 72 anos. “Faço duas horas de ginástica por dia. Levanto às cinco da manhã. Estou quase ficando bombado. Faço 7 km todo dia, além da musculação”, ele se vangloria, antes de se autodefinir como “um velhinho com tesão por esse país.”

É uma pena que o ex-presidente petista não demonstre a mesma vitalidade na produção de explicações capazes de desmontar as evidências de que parte dos seus confortos foram bancados com verbas de má origem. Mas não há de ser nada. Na melhor das hipóteses, Lula voltará a ter acesso à academia de ginástica do Alvorada. Na pior das hipóteses, sempre poderá exercitar-se no pátio do presídio, durante o banho de Sol. O importante é não perder a “disciplina” e o “foco”.


Juiz Bretas: ‘Não haverá prêmios a criminosos’
Comentários 2

Josias de Souza

Marcelo Bretas, o juiz da Lava Jato no Rio de Janeiro, celebrou no Twitter a decisão da ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, de suspender os efeitos do decreto de indulto editado por Michel Temer.

“Não haverá prêmios a criminosos no Brasil”, escreveu Bretas. “Vivemos tempos diferentes em nosso país, apesar de certa relutância nessa compreensão. O mundo está nos observando”, acrescentou o magistrado.


Jô Soares revela pegadinha de Doria pró-Collor
Comentários 16

Josias de Souza

O episódio ocorreu na sucessão presidencial de 1989. Jô Soares contou em entrevista à Jovem Pan que se encontrou com João Doria no local de votação. Por coincidência, votavam na mesma zona eleitoral. Disse que Doria o abraçou “com uma intimidade que não havia”.

Depois, foi alertado por uma testemunha da cena: “…Esse cara que te abraçou acabou de colar um adesivo ‘vote em Collor’ nas suas costas.” Jô Soares, que votou no tucano Mario Covas naquela eleição, resumiu o episódio assim: “Isso, pra mim, já desenhou um pouco como é a história política desse nosso, hoje, prefeito.”

Suprema ironia: Doria agora é um neo-tucano. Chegou à prefeitura paulistana como afilhado político do governador Geraldo Alckmin, que deve sua carreira política ao padrinho Mario Covas.


Lula voa para exterior após julgamento do TRF-4
Comentários 435

Josias de Souza

Sob o risco de ser condenado por corrupção em 24 de janeiro pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Lula voará para o exterior dois dias depois do julgamento. O presidenciável petista informou a correligionários que viajará no dia 26 para a África. Disse que participará de um “debate sobre experiências de combate à fome” na cidade de Adis Abeba, na Etiópia.

Segundo Lula, o evento é organizado pela FAO, Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. A entidade é dirigida pelo petista José Graziano, que atuou no primeiro mandato presidencial de Lula como responsável pelo programa Fome Zero. Devem participar do encontro os ex-presidentes da Nigéria, Olusegun Obasanjo, e de Gana, John Agyekum Kufuor.

Na hipótese de o TRF-4 confirmar a sentença do juiz Sergio Moro, que condenou Lula a 9 anos e meio de cadeia no caso do Tríplex do Guarujá, o líder máximo do PT exibirá no estrangeiro sua condição de primeiro ex-presidente da história brasileira a ostentar a condição de condenado por corrupção em duas instâncias do Judiciário. Um status que o tornaria inelegível e o deixaria mais próximo da cadeia.


‘Faz o que quer’, afirma procurador sobre Gilmar
Comentários 33

Josias de Souza

“Infelizmente, há muito tempo, Gilmar Mendes, aquele que se acha supremo, simplesmente faz o que quer.” A frase foi veiculada nesta segunda-feira no Facebook pelo procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. A crítica foi provocada pela decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal de soltar o empresário Jacob Barata Filho, conhecido no Rio de Janeiro comno “Rei do Ônibus”.

O habeas corpus foi concedida na última sexta-feira. Foi a terceira vez que Gilmar Mendes livrou Barata do xadrez. A manifestação de Carlos Fernando ecoa uma opinião que se generaliza no Ministério Público Federal. O procurador adicionou à postagem da frase um link que conduz para notícia do Globo sobre a reação da força tarefa da Lava Jato no Rio.

Os procuradores fluminenses contestam a competência de Gilmar para julgar em decisão individual fatos relacionados à Operação Cadeia Velha, que resultou na nova ordem de prisão contra Barata Filho. Pediram à procuradora-geral da República Raquel Dodge que questione a concessão do habeas corpus.


Sugestão de texto para 2ª Carta de Lula ao Povo
Comentários 15

Josias de Souza

Lula cogita redigir uma nova Carta aos Brasileiros. Não será como aquela de 2002, que teve o objetivo de acalmar o mercado financeiro. Até porque o autor da peça, Antonio Palocci, está em cana e virou um delator. Dessa vez, o destinatário será “o povo”, informa a repórter Cátia Seabra. Deseja-se especialmente reconquistar o eleitor de classe média.

Antes que as sinapses da intelectualidade petista se conectem em busca dos termos ideias para o texto a ser subscrito por Lula, vai abaixo uma sugestão. Nas pegadas do mensalão e do petrolão, Lula poderia adotar os termos do mais famoso código ético e social do Ocidente.

Na versão integral, o célebre texto tem dez itens. Querendo, a divindade petista pode reproduzir em sua carta apenas os quatro principais.

A nova Carta de Lula aos Brasileiros conteria os seguintes compromissos: “Não matarás / Não roubarás / Não tomarás o nome de Deus em vão / Não prestarás falsos testemunhos…” Se esse texto não funcionar, não há leto-lero que resolva.