Blog do Josias de Souza

Ministério do Trabalho virou casa da Mãe Joana
Comentários 5

Josias de Souza

Não é preciso muito esforço para notar que a relação incestuosa de Michel Temer com o PTB do ex-presidiário Roberto Jefferson transformou o Ministério do Trabalho numa casa da Mãe Joana. No comecinho de janeiro, o PTB indicou para a pasta o deputado maranhense Pedro Fernandes. Vetado por José Sarney, ele virou ex-ministro antes de ser nomeado. Jefferson emplacou, então, a filha Cristiane Brasil. Nomeada, ela foi ministra por 48 dias sem assumir o cargo. A Justiça não deixou.

Depois da descoberta de que a quase-ministra do Trabalho amargara condenação na Justiça trabalhista, Temer prometeu a Jefferson que não transformaria sua filha numa Joana D’Arc. De fato, o governo não levou Cristiane Brasil à fogueira. Apenas fez de conta que não viu quando o PTB, já meio de saco cheio do seu presidente, ligou o microondas para que Cristiane Brasil fosse frita na própria gordura.

Com a filha já bem passada, Jefferson indicou outro nome: Helton Yomura, que já responde interinamente pelo ministério. Seu partido rebelou-se. Temer conseguiu um milagre: trocou um ministério pelo apoio do PTB. E criou uma guerra em que um pedaço do partido ameaça brigar com o seu governo. Armado o escarcéu, o presidente decidiu não decidir. Vai esperar até o fim de março por um nome consensual do PTB. Se fosse possível ouvir o outro lado, Mãe Joana decerto diria que a pasta do Trabalho não é a sua morada. Trata-se de mais um puxadinho da Casa do Temer, acusaria a veneranda senhora.


Politicagem de Temer ainda vai devorar o dono
Comentários 25

Josias de Souza

Sob orientação do marqueteiro, Temer grava pronunciamento sobre a intervenção federal no Rio

Uma coisa é certa: se você é um presidente da República mal avaliado, dispõe de pesquisas indicando que a sociedade anda apavorada com o surto de violência e baixa um decreto chamando uma jogada eleitoreira de intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, a esperteza acabará assumindo a aparência de uma inédita providência governamental. Embora continue sendo reles politicagem.

Nesta quarta-feira, Michel Temer determinou ao porta-voz Alexandre Parola que fizesse a leitura de nota oficial contendo uma curiosa parolagem. ''O presidente reitera que toda e qualquer decisão do governo é regida exclusivamente para as reais necessidades do país”, recitou Parola. “A agenda eleitoral não é nem será causa das ações do governo.''

O comentário veio à luz contra um pano de fundo impregnado de veneno. Conforme noticiado aqui, a cúpula das Forças Armadas receia que a intervenção no Rio, sob o comando do general Walter Braga Netto, seja utilizada para fins político-eleitorais. Inelegível, Lula declarou que Temer tenta se “cacifar para ser presidente” e coloca soldados nas ruas do Rio porque deseja “pegar os votos do Bolsonaro.”

Como se fosse pouco, Elsinho Mouco, o marqueteiro que o presidente leva a tiracolo, disse ao repórter Bernardo Mello Franco: Temer “já é candidato” à reeleição. Nããããoo! Jura? “Hoje, a maior preocupação do brasileiro é com a segurança pública.” Hã, hã. “O Temer jogou todas as fichas na intervenção.” Hummmm! “A vela está sendo esticada. Agora começou a bater um ventinho.” Ah, vá! “Viramos a agenda.”

E o porta-voz Parola: “Assessores ou colaboradores que expressem ideias ou avaliações sobre essa matéria não falam, nem têm autorização para falar, em nome do presidente.” Ah, bom! “O governo seguirá sua trajetória sem pautar-se pela busca do aplauso fácil, mas na rota firme das decisões corajosas que buscam enfrentar e resolver os dramas verdadeiros de nossa nação, sem nenhuma significação eleitoral.” Então, tá!

Municiado de todas as informações, o brasileiro pode tirar suas próprias confusões. A dúvida nacional é se isso que está acontecendo no eixo Rio-Brasília é ou não é uma cartada eleitoral de um presidente que tenta saltar da UTI para o palanque. Uma criança de 5 anos diria que as orelhas são de lobo, o focinho é de lobo, os dentes são de lobo. Mas a parolagem do porta-voz Parola esclarece que é apenas uma vovozinha dirfarçada. Nesse ritmo, a politicagem de Temer vai acabar devorando o dono.


Cúpula militar receia uso político de intervenção
Comentários 62

Josias de Souza

O ritmo de toque de caixa que marca o início da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro ateou desconforto na cúpula das Forças Armadas. Em privado, os militares se queixam do excesso de improviso. Preferiam que o planejamento tivesse precedido o anúncio da novidade. Receiam que o trabalho a ser executado sob o comando do general-interventor Walter Braga Netto seja utilizado para fins político-eleitorais.

Sob o compromisso do anonimato, um oficial declarou ao blog: “Acionados nos termos da Constituição, estamos cumprindo nossa missão, como de hábito. Fazemos isso para servir ao país, não a interesses políticos. As Forças Armadas se confundem com o próprio Estado. Não seria aceitável que fossem utilizadas para fins eleitorais. Com razão, costuma-se dizer que militar não deve se meter em política. Do mesmo modo, não convém politizar ações militares.”

De acordo com o decreto editado por Temer e aprovado pelas duas Casas do Congresso, a intervenção vai durar até 31 de dezembro, último dia do atual governo. Com base na experiência de operações convencionais de manutenção da ordem, os militares avaliam que, num primeiro momento, o surto de violência que inquieta os cariocas será sedado pela presença das tropas e pelo refinamento da colaboração com as forças policiais do Estado.

Operadores políticos de Temer imaginam que esse efeito anestésico pode retirar a imagem do presidente da UTI, vitaminando seu projeto eleitoral. Desde que decidiu guindar a segurança pública à condição de prioridade, na terça-feira de Carnaval, Temer não dá nem “bom dia” sem consultar marqueteiros que leva a tiracolo. É indisfarçável a pretensão do presidente de extrair dividendos eleitorais da intervenção no Rio. Embora já tenha sido alertado sobre o incômodo dos militares, Temer parece dar de ombros. Encomendou uma pesquisa para avaliar os humores do eleitorado.

Para além da política, os militares revelam-se preocupados com o orçamento da intervenção. Receberam uma missão. E esperam contar com o dinheiro necessário para executá-la. Temer assegurou que não faltará verba. Mas as últimas declarações do ministro Henrique Meirelles (Fazenda) não soaram no mesmo tom.

O oficial que conversou com o blog carrega no bolso da farda um recorte de jornal com uma frase do ministro da Fazenda grifada em vermelho: “Estamos fazendo uma avaliação juntamente com o Ministério do Planejamento e com o Ministério da Defesa. Vamos ver se é necessário (recurso extra), se o que já está lá (no orçamento das Forças Armadas) será suficiente para custear as despesas. Governar é definir prioridades, e definir Orçamento também. Estamos já no teto de gastos, qualquer despesa adicional vai significar um remanejamento.”

Farejou-se na notícia uma pretensão de Meirelles de retirar do Orçamento das próprias Forças Armadas a verba a ser despejada no Rio. Os comandantes militares queixam-se de que suas forças já operam no osso. Reivindica-se mais verba. Remanejar o que já é insuficiente está fora de questão. Aguarda-se para os próximos dias a conclusão do plano de ação do general Braga Netto. Vai-se saber, então, o montante a ser pleiteado. Espera-se que Temer cumpra o compromisso de prover os meios.


Renan se equipa para voltar a comandar Senado
Comentários 118

Josias de Souza

As pesquisas ainda não permitem antever quem será o próximo presidente da República. Mas seja quem for, corre um risco estupendo de ter que pagar pedágio a Renan Calheiros para alcançar a governabilidade. Colecionador de inquéritos, denúncias e ações penais, Renan organiza sua infantaria para pleitear a presidência do Senado pela quinta vez. Mexe-se com a certeza de que será reconduzido a Brasília pelo eleitor de Alagoas.

Por enquanto, Renan dedica-se a remover do seu caminho o atual presidente do Senado, Eunício Oliveira, que sonha em ser reconduzido ao posto em 2019. Ele não perde a oportunidade de medir forças com o rival. Nesta terça-feira, a dupla travou em plenário uma briga na qual Michel Temer entrou com a cara. A matéria prima da desavença foi o decreto sobre a intervenção federal na segurança do Rio.

Esgrimindo o artigo do regimento que limitava o número de oradores, Eunício quis sonegar o microfone ao correligionário do PMDB. Com isso, ofereceu a Renan a possibilidade de transformar num cavalo de batalha seu desejo de espinafrar a intervenção de Temer. Supremo paradoxo: no final, Renan acabou votando a favor da intervenção, a mesma que tachara minutos antes de ''decorativa'' por não ter alcançado o pescoço do pseudo-governador Luiz Fernando Pezão.

A exemplo de Renan, Eunício também luta pela reeleição no seu Estado, o Ceará. Eles têm algo em comum. Num instante em que um pedaço do PT procura um Plano B, ambos não abrem mão de manter Lula como Plano A. Preso ou solto, o pajé do PT não deixará de ocupar o topo do ranking de preferências do eleitorado nordestino. Se necessário, Renan e Eunício subirão no caixote para alardear em suas províncias o refrão petista segundo o qual “eleição sem Lula é fraude.”

A democracia, como se sabe, é um regime em que as pessoas têm ampla e irrestrita liberdade para exercitar sua capacidade de fazer besteiras por conta própria. Mas o eleitor dispõe de uma vacina capaz de imunizá-lo contra a sensação de que o voto é um mero equívoco renovado de quatro em quatro anos. Basta jogar água no chope de oligargas que já se julgam eleitos. A troca não é garantia de acerto. Mas proporciona o prazer de cometer erros diferentes.


Invulnerabilidade de Lula revelou-se uma fantasia
Comentários 96

Josias de Souza

Desde que a Lava Jato chegou aos calcanhares de vidro de Lula, o PT cultiva a fantasia da invulnerabilidade do seu grande líder. O partido perdeu todas as apostas. Lula não seria denunciado. Foi. Nove vezes. As denúncias não virariam ação penal. Viraram. Por ora, meia dúzia. A Justiça não ousaria condenar Lula. Ousou. Na primeira e na segunda instância. Lula não será preso, eis a penúltima aposta que o PT está prestes a perder. Terminou nesta terça-feira o prazo para a defesa de Lula apresentar recurso contra a condenação do TRF-4.

O recurso se chama embargo de declaração. Não muda a sentença. Serve apenas para esclarecer pontos que a defesa considere obscuros na decisão dos desembargadores de Porto Alegre. A condenação de Lula a 12 anos e 1 mês de cadeia será mantida no TRF-4. É certo como o nascer do Sol a cada manhã.

O tribunal costuma levar menos de 40 dias para deliberar sobre esse tipo de recurso. Ou seja: até o final de março, o TRF-4 pode liberar Sergio Moro para expedir o mandado de prisão contra Lula. A defesa pressiona o STF para pautar o julgamento de um pedido de habeas corpus, cuja liminar já foi negada. Por ora, nada.

Inelegível e sem agenda, Lula aprisionou-se no discurso da perseguição. Nos próximos dias, vai retomar o velho hábito de fazer pose de vítima diante de plateias amigas, cada vez menores. A voz das ruas clamando por seu retorno revelou-se mais uma aposta errada do PT. Vem aí um espetáculo novo. Ele pode ser encenado atrás das grades.


PF pede prazo para inquérito que envolve Temer
Comentários 6

Josias de Souza

O delegado Cleyber Malta Lopes, da Polícia Federal, pediu a prorrogação do inquérito sobre o caso dos portos, no qual Michel Temer é investigado. Ele quer mais 60 dias para fechar a investigação. O pedido foi encaminhado ao ministro Luís Roberto Barroso, relator do processo no Supremo Tribunal Federal. Ainda não há decisão. Contudo, o normal é o deferimento desse tipo de requisição.

A suspeita que recai sobre Temer é a de ter editado um decreto que beneficiou empresas que operam no Porto de Santos, entre elas a Rodrimar. O pedido de prorrogação do inquérito chega nas pegadas de uma polêmica envolvendo o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia.

Em entrevista concedida à Reuters durante o Carnaval, o chefe da PF insinuou que o inquérito sobre propinas portuárias rumava para o arquivo. E mencionou a hipótese de repreender ou até suspender  delegado Cleyber Lopes.

Intimado pelo ministro Barroso a prestar esclarecimentos, Segovia esteve no STF nesta segunda-feira. Disse ter sido mal interpretado. E comprometeu-se a não fazer novas declarações sobre o caso.

A notícia sobre o pedido de prorrogação não chega a ser ruim para Temer. Fica entendido que o delegado ainda não dispõe de provas irrefutáveos contra o presidente.

A novidade tampouco é tranquilizadora para o presidente. Revela que os investigadores ainda não entregaram os pontos, como gostariam Segovia e, sobretudo, Temer.